Guia básico de hábitos e costumes do Japão

Gestos e Cumprimentos

O aperto de mãos não é comum entre os japoneses. Ao invés disso usa-se muito reverências com a inclinação do corpo ou cabeça, onde o grau de inclinação depende da situação do momento e do grau de relação entre as pessoas envolvidas. Este gesto é chamado "odigi" e significa respeito e afeição.

Entretanto, devido à influência ocidental, muitos japoneses ao cumprimentarem ou serem apresentados a estrangeiros, costumam apertar as mãos, mas sem perder o velho costume de curvarem seus corpos. Acaba-se tendo, então, uma mistura interessante.

Cumprimentar é um hábito muito apreciado que os japoneses fazem questão de cultivar.

Cumprimentos básicos:

Ohayô gozaimasu = Bom dia
Konnichiwa = Boa tarde
Konbanwa = Boa noite
Oyasuminasai = Boa noite/Bom descanso (quando irá dormir ou quando se despede de alguém à noite)
Sayonara = Adeus
Hajimemashite = Muito prazer em conhecê-lo
Ogenki desu ka = Como vai?

Outras palavras importantes:

Arigatô gozaimasu = obrigado(a)
Iie doo itashimashite = por nada, não há de quê
Sumimasen = desculpas, por favor. Utilizado quando se pede desculpas, ou quando irá pedir um favor, informação a alguém
Shitsurei shimasu = com licença, quando pedir licença para passar, para entrar na casa ou escritório de alguém, também quando você se retira de algum local antes que outras pessoas
Gomenkudasai ou gomennasai = me desculpe
Hai = sim
Irashaimassê = seja bem vindo

Ao dirigir a palavra a outra pessoa:

Sama ou San

Quando for falar com outra pessoa, sempre chamá-la pelo sobrenome, seguido de "san" ou "sama"(forma polida) que quer dizer senhor, senhora ou senhorita. Somente chamar pelo nome ou apelido quando esta pessoa autorizar para tal.

No caso de pessoas que você não saiba o nome, quando pedir alguma informação, dizer "sumimasen" (por favor) seguido da pergunta.

Na empresa, quando se trata de superiores, chamá-lo pelo cargo, por exemplo: Sr. Presidente = shachô-sama

Refeições

Antes de começar a refeição, todos dizem "itadakimasu" e ao terminar dizem "gochisou sama". São frases que expressam apreciação e agradecimento pela refeição.

Geralmente os japoneses comem com pauzinhos (hashi ou ohashi). A tigela de arroz é colocada à sua esquerda e a de sopa à direita, e os hashi são colocados em frente a elas, na horizontal.

O correto é segurar o hashi com a mão direita e usar a esquerda para levantar as tigelas de arroz e de sopa para comer, podendo beber a sopa diretamente da tigela. Já os outros pratos e tigelas ficam sobre a mesa.

Quando houver pratos que serão degustados por todos, terá um talher ou hashi para cada prato, onde você irá utilizá-lo para se servir.

Quando não houver talher ou hashi, deverá se servir utilizando seu próprio hashi do lado oposto ao que você está comendo, mas dependendo do prato, seu hashi poderá ficar sujo, então poderá ser pedido um talher ou hashi para o prato, ou se estiver entre amigos ou pessoas mais íntimas, poderá dizer para não se importarem e se servirem com o próprio hashi, sem precisar utilizá-lo ao contrário.

Enquanto estiver comendo o arroz, e quiser pausar, deverá deixar o hashi em cima da tigela na horizontal ou sobre hashioki (descanso de hashi). Não espete o hashi no arroz, isto significa arroz servido em velório.

Durante a refeição, jamais crave o hashi em uma tigela de arroz. É uma das maiores gafes que se pode cometer, pois no Japão costuma-se cravar os hashi na tigela de arroz para deixar no altar em oferenda aos mortos.

Passar a comida de hashi em hashi para outra pessoa também não ter um significado muito bom. De acordo com a tradição japonesa, em um funeral, após o corpo ter sido cremado, os parentes recolhem e passam para os outros os ossos do ente querido de hashi em hashi.

Quando os japoneses tomam sopa, é costume fazer barulho com a boca. Dizem que é demonstração de apreciação ao prato. Também é muito comum sugar macarrão fazendo barulho.

Geralmente em restaurantes, antes de se servir, é oferecido um oshibori (toalhinha úmida para limpar as mãos). É falta de etiqueta limpar o rosto, o pescoço, etc..

Chinelos e sapatos

Ao entrar numa casa típica oriental, tire os sapatos na entrada (genkan) e calce os chinelos próprios para serem usados dentro de casa. Quando entrar numa sala ou quarto de tatami (uma esteira feita de palha e coberta de junco tecido), deve se tirar os chinelos e deixá-los no corredor. Geralmente existem chinelos próprios para o banheiro também.

Quartos

Para dormir, as pessoas usam colchões estofados e colchas (futon), colocados no chão do quarto. De manhã, são recolhidos, dobrados e colocados no armário, podendo-se usar o mesmo quarto de dormir para sala de jantar ou sala de estar.

Atualmente, muitas pessoas passaram a utilizar camas (principalmente os mais jovens), mas apesar disso, sempre há alguns "futon" reserva para receber visitas. Nos hotéis ‘estilo japonês’, chamados de Ryokan, o uso de camas não existe. Aliás, nestes hotéis, procura-se preservar a tradição japonesa e em muitos casos os únicos sinais de modernidade permitidos são a luz elétrica, televisão e telefone.

Sala de jantar ou sala de estar

Geralmente é usada uma mesa baixa, com almofadas (zabuton) para se sentar, de joelhos, mas poderá esticar as pernas também, embaixo da mesa. No inverno, existem estas mesas baixas com sistema elétrico especial na parte de baixo (kotatsu), onde há cobertor e por cima é colocado um tampo da mesa. Você se mantém aquecido colocando-se as pernas embaixo da mesa.

Banho

A casa japonesa possui um cômodo que é feito apenas para banho, chamado ofurô, banho de imersão.

A banheira é quadrada e funda, onde é colocada água fria e aquecida com aquecedor especial, alguns a gás e outros por eletricidade.

Antes de entrar na banheira, deverá lavar o corpo e somente entrar depois de se enxaguar, pois a água não é trocada cada vez que uma pessoa a utiliza, tomando-se o cuidado para não sujar a água, pensando no próximo que irá utilizá-la. Isto pois no Japão há pouca água potável, e se faz o máximo possível para economizar.

Quando se visita a casa de uma família pela primeira vez, deve se comprar uma ‘lembrancinha’, um presente consumível.

Hierarquia

Na sociedade japonesa a famosa relação entre superior / subordinado está presente em todos os setores.

Há algumas formas de linguagem diferentes a serem usadas distintamente dependendo a quem você se dirigir. No caso de um kohai (novato) se dirigir a um Senpai (mais tempo de casa), o mesmo precisará usar uma linguagem um pouco mais polida do que o convencional. No caso contrário, o Sempai pode utilizar uma liguagem coloquial.

Pessoas do mesmo nível podem utilizar a forma coloquial. Em outras palavras, quando for às compras ou restaurante você notará que os vendedores ou atendentes irão utilizar uma linguagem muito formal. No entanto você não precisará retribuir com a mesma linguagem, uma vez que a relação cliente / comerciante se assemelha com a relação superior /subordinado, onde o subordinado seria o comerciante, pois depende do cliente.

Lixo

Quando estiver no Japão, preste atenção aos dias e locais do lixo. Existem locais, dias e horários determinados para cada tipo de lixo.

Basicamente o lixo se divide em "Moeru Gomi" (queimável) ,"Moenai Gomi" (não queimável) e os lixos especiais (televisão, geladeira, máquina de lavar, aparelhos de som, etc.).

São considerados Moeru Gomi: lixo orgânico e papéis. São considerados Moenai Gomi: plásticos, latas, vidros, etc.

É importante lembrar que não é permitido usar qualquer tipo de saco plástico. Você terá que adquirir saco especiais para os lixos, os quais podem ser comprados em qualquer supermercado ou loja de conveniência, caso contrário seu lixo não será recolhido e você provavelmente será multado.

Meishi - cartão de visitas

No Japão, é comum fazer a troca de cartões de visita (impresso com nome da empresa, seu cargo, nome completo, endereço e telefone) quando se encontram pela primeira vez.

O meishi esclarece a posição, pronúncia correta do nome, status e grupo hierárquico da pessoa dentro da empresa, desempenhando um papel importantíssimo numa sociedade onde o grau hierárquico é muito respeitado.

Qualquer pessoa pode fazer, pedir para imprimir um meishi da maneira que desejar.

Já um meishi da empresa, deverá possuir o nome da empresa, seguido de seu cargo, nome, endereço e contato. Num encontro de negócios ele possui um papel importante, é imprescindível que você possua seu meishi, pois poderá ser considerado falta de etiqueta e rude não possuí-lo. O cartão de visitas no Japão possui um papel muito diferente e muito mais importante que em outros países.

Entrega-se o meishi com as duas mãos, o mesmo ao receber. Não dobre nem escreva no cartão e, se possível, tenha em mãos o "meishi-ire", um porta cartão. Se não tiver, guarde-o no bolso interno do paletó ou em sua carteira.

Tente memorizar o nome, posição e empresa da pessoa. O meishi é um instrumento importante e também útil para que seu nome seja lembrado, e também para que você não se esqueça com quem esteve.

Inkan/Hanko

O inkan ou hankô tem a mesma validade legal da assinatura. Os adultos japoneses possuem dois ou três , onde um deles é o jitsu-in , que tem registro oficial na prefeitura e é utilizado para timbrar documentos legais ou contratos. Em documentos importantes como registro de carro, depósito ou retirada de dinheiro no banco, costuma-se carimbar sobre o seu próprio nome. A marca do carimbo é mais importante que a sua assinatura, devendo-se tomar cuidado quando for carimbar algum documento.

O mitome-in também chamado sanmon-ban, carimbo comum, é usado para aprovar memorandos e outros documentos no trabalho ou em casa.

O mitome-in é encontrado em qualquer papelaria, já o jitsu-in é confeccionado sob encomenda. É um carimbo personalizado e não pode haver dois iguais, seguindo padrões determinados de tamanho, material, formato, etc; por isso é aconselhável informar-se antes na prefeitura para evitar erros.

Sobrenomes Japoneses

No Japão, como também na China e na Coréia, o nome de família vem antes do nome. Por exemplo, em Utada Hikaru, Utada é o sobrenome e Hikaru é o nome. Até o final do período Edo (1603-1867) somente os samurais e os nobres tinham sobrenome, as pessoas de outras classes sociais não tinham direito a usar sobrenomes. Somente após a restauração Meiji (1868) os japoneses de todas as classes adquiriram o direito de usar sobrenome.
Todos os sobrenomes japoneses devem ser escritos em kanji (ideograma chinês).

Alguns dos sobrenomes japoneses mais comuns são: Suzuki, Sato, Tanaka, Watanabe, Yamamoto, Nakamura, etc.

Significado

O significado dos nomes de família japoneses geralmente tem relação com o local em que vivia a família quando esta começou a utilizar o sobrenome, lembrando que a maioria dos japoneses só começaram a utilizar sobrenomes após a restauração Meiji (1868). Exemplos: Tanaka, dentro do campo de arroz, Inoshita, embaixo do poço, Yanamoto, base da montanha, Matsushita, embaixo do pinheiro, etc.
Já o primeiro nome geralmente procura passar uma idéia de força e/ou vitalidade no caso dos nomes masculinos, e beleza e/ou suavidade no caso dos nomes femininos. O significado do nome e do sobrenome depende do kanji com o qual é escrito e não com a pronúncia. O nome Akira, por exemplo, dependendo do kanji, pode significar, entre outros, verdade ou luz.